Segurança do open banking: saiba como proteger seus dados

Segurança do open banking: saiba como proteger seus dados

Quando o assunto é o setor financeiro todo cuidado é pouco, visto que este é um dos setores mais violados pelos invasores digitais. Nesse sentido o open banking — um sistema de compartilhamento de dados bancários — dispõe de um conjunto de regras estabelecidas pelo Banco Central, dando ao cliente o poder de controlar os seus dados de maneira prática.

Além disso, é preciso pontuar que esse sistema de open banking tem como principal objetivo agilizar a vida do cliente no momento que ele desejar realizar alguma transação. Logo, ele permite que as instituições, quando autorizadas pelos consumidores, compartilhem de maneira segura e rápida os dados cadastrais e bancários do cliente.

Mas, quais são os riscos de segurança do open banking? O que você pode fazer para se proteger? Prossiga a leitura e saiba tudo a respeito.

Quais são os maiores riscos de segurança do open banking?

É fato que tudo que envolve os dados bancários precisa de muita cautela e cuidado. Então, o open banking só permite o compartilhamento de dados com o consentimento do cliente, afinal, o consumidor pode optar por se quer ou não participar desse processo.

A padronização é a chave para o sistema de open banking que é acompanhada de uma série de riscos, pois o tráfego de dados por APIs (um tipo de conversa entre aplicações diferentes entre si) nem sempre tem uma política de privacidade eficaz.

Existem pelo menos dois tipos de riscos mais evidentes: o risco de haver uma falha interna no sistema da instituição, como um vazamento de dados, e o risco de falha humana como um golpe por parte de um criminoso virtual diretamente sobre o cliente.

Como saber se os seus dados estão seguros?

É preciso que o consumidor interessado em saber se os seus dados estão seguros, procure as instituições financeiras que estão cadastradas e peçam a elas informações claras e eficazes. Somado a isso, é importante ler com bastante calma todo o conteúdo e os requisitos nos termos de uso dos dados a fim de que nenhuma situação desagradável venha acontecer.

Com a competitividade aumentando, essas instituições financeiras precisam arrumar novas maneiras de tornar os seus serviços, como os empréstimos bancários mais chamativos e, principalmente, seguros. Diante disso, a segurança do open banking tem criado uma padronização com o intuito de que haja um gerenciamento no controle de dados.

Então, os consumidores precisam ficar sempre atentos quando a questão envolve os seus dados pessoais, é importante verificar os padrões de criptografia, o fator de autenticação e a segurança em APIs, afinal, os invasores digitais estão a cada dia mais treinados para manipularem e usarem os dados para situações errôneas.

O que pode ser feito para uma maior segurança do open banking?

Algumas dicas são essenciais para que você não tenha dor de cabeça quando o assunto é compartilhamento de dados importantes. Logo, cabe ao consumidor ter uma atitude consciente, entre elas:

  • não entregue seu cartão de crédito a terceiros;
  • não realize compras virtuais em empresas desconhecidas;
  • não compartilhe senhas por meio de ligações, mensagens de texto e assim por diante;
  • sempre use os canais oficiais das instituições para sanar dúvidas.

Por fim, agora que você já sabe um pouco mais sobre a segurança open banking e os seus riscos, tente sempre contratar instituições financeiras sérias e que zelem pela transparência e segurança dos seus dados.

Gostou do conteúdo apresentado? Então, compartilhe esse post nas suas redes sociais a fim de que seus amigos também fiquem por dentro das novidades!

Se junte ao universo Tiquei

#somosmulti #somostiquei

Baixe gratuitamente: